Os corpos incorruptos | 20/08/2013


Irmã Santa Bernadette, no mundo mostras à humanidade, que uma pessoa, para chegar ao ponto como você chegou, que até o seu corpo continua inteiro até hoje pelo Poder de Deus, Nosso Criador.

O juiz deste mundo, quando ele pensa em destruir o que Deus fez, ele jamais terá força suficiente. Não só eu, que meu santo corpo continua intacto, e sim de muitos outros. Isto prova que O Nosso Bom Deus mostra O Poder que Ele tem, para que os que não acreditam na Eternidade, possam pensar um pouco melhor, que a vida não se acaba por aqui, aqui só foi o começo, a Vida começa depois que deixa a Terra em santidade. Para chegar ao ponto como eu cheguei, é preciso que a pessoa se entregue inteiramente ao Nosso Salvador. Foi por isso que Ele veio ao mundo pela primeira vez, para mostrar a toda a humanidade que nem tudo está perdido. Por isso, meu irmão Pedro II, tu foste escolhido para mostrar toda a verdade, que Deus existe, e não como os que se dizem servidores, que mostram o que pensam que são, mas a Vontade de Jesus não fazem, que é cumprir todos os Mandamentos. Até nisto eles não falam, deixam a desejar, nas Santas Missas, onde deveriam falar mais no Evangelho, e não no que o homem deixou de fazer, que seriam as histórias de cada um que se santificou. Como por exemplo, quase não se vê os padres falarem em mim, como tantos outros que continuam com o corpo intacto até hoje. São tantas histórias bonitas, que se eles procurassem falar mais sobre o bom comportamento dentro da Igreja, muitos não teriam saído dela, a Igreja que Jesus passou a Pedro I. Por ironia do diabo, quis ele acabar com tudo isto, só que se esqueceu que acima de tudo isto está O Nosso Criador, junto com Sua Santa Mãe que nos ensinou espiritualmente, como foi o meu caso. Ela, por Sua vez, me mostrou o Caminho que nos leva à Eternidade. A grandeza de Deus, Nosso Criador, está aí para que todos possam ver, meu corpo como de tantos outros, por inteiro, onde a terra não pode consumir.

Santa Bernadette e Pedro II

(Obs. Mensagem recebida pelo Confidente Católico Bento da Conceição –Taquaras – Balneário Camboriú – Santa Catarina – Brasil. Informações (0xx47) 3367-7110) Mais Mensagens.

quarta-feira, 30 de agosto de 2000

Santo Alexandre de Svir



Santo Alexandre de Svir nasceu em 15 julho de 1448, no dia da festa do profeta Amós, recebendo este nome quando do seu Batismo.

Este abençoado Amigo de Deus marcou o monaquismo introduzido nas florestas profundas do Norte russo, entre os monges que vivem no mais rigoroso ascetismo, e o Espírito Santo Lhe concedeu os mais extraordinários dons.

Seus pais, Estevão e Vasa eram camponeses. Eles tiveram filhos e filhas, mas esses, ao se tornarem adultos,viviam longe dos pais. Queriam ter outro filho, e oravam com fervor a Deus.

Um dia, ouviram uma voz do alto que dizia: "Alegrai-vos, bom homem e mulher, vocês vão ter um filho, e através do seu nascimento Deus agraciará à Sua Igreja."
Amós sempre foi uma criança especial. Obediente e dócil,evitava os jogos, piadas e o falar sujo, usava roupas tão pobres e chegava a ficar enfraquecido pelo jejum, de modo que até mesmo causava ansiedades em sua mãe.
Quando ficou mais velho,certa vez encontrou alguns monges de Valamo que estavam em sua cidade para comprar mantimentos para o mosteiro.
Já neste tempo Valamo era conhecido como um mosteiro de piedade profunda e rigorosa vida ascética. Depois de falar com os monges, o jovem ficou fascinado ao conhecer a vida em um skete(um monastério para dois ou três monges)e sobre os aspectos da vida solitária dos eremitas.
Sabendo que seus pais tinham arranjado um casamento para ele,o jovem foi secretamente ao Monasterio de Valamo quando tinha dezenove anos. Sob o disfarce de um viajante,um anjo de Deus apareceu-lhe, mostrando-lhe o caminho para a ilha.
Amós viveu por sete anos no mosteiro como noviço, levando uma vida austera. Passava os dias no trabalho, e as noites em vigilância e oração, as vezes na floresta, em cima de um tronco sem cobertura,coberto por mosquitos, e em oração permanecia até ouvir o canto matinal dos pássaros.
No ano de 1474, Amós recebeu a tonsura monástica com o nome de Alexandre. Depois de vários anos, seus pais finalmente conseguiram chegar até o Monastério, onde seu filho estava. Seguindo o exemplo de seu filho, os pais também ingressaram no mosteiro e foram tonsurados com os nomes de Sérgio e Barbara. Após a morte de ambos, São Alexandre, com a bênção do igumeno do mosteiro, ingressou para uma ilha deserta, onde lá construiu uma célula na fenda de um penhasco, o local onde foram realizadas muitas façanhas espirituais.
A fama do seu asceticismo se propagou. Em 1485 São Alexandre, ao receber uma ordem dos Céus, escolheu um local na floresta nas margens de um belo lago, que mais tarde foi chamado Santo. Nesta localidade,o monge construiu uma cabana e viveu em solidão por sete anos, comendo apenas o que encontrava na floresta (mais tarde neste lugar,o Lago Santo,São Alexander fundou o mosteiro da Santíssima e Vivificante Trindade.
Durante este tempo, o santo experimentou os sofrimentos da fome mais feroz,geadas,doenças e as tentações demoníacas.
Mas o Senhor continuamente lhe dava sustento espiritual e a resistência física dos justos. 
Certa vez, submetido ao sofrimento de uma enfermidade terrível, pela qual se tornou incapaz de se levantar do chão ou mesmo de levantar a cabeça. 
Ele mesmo prostrado como estava, permaneceu cantando os Salmos. Então, um homem glorificado lhe apareceu. Colocando a mão sobre o local em que sentia mais dor, fez o Sinal da Cruz sobre o santo, o curando.
Em 1493, durante uma caçada, o fazendeiro André Zavalishin avistou a cabana do santo. André foi até lá, contando ao monge sobre uma estranha luminosidade que vinha daquele lugar. Ele pediu ao monge para lhe orientar sobre a sua vida. A partir deste dia, André começou a visitar Santo Alexandre muitas vezes , até que um dia, sendo orientado pelo monge, foi para Valaam, onde foi tonsurado com o nome de Adriano. Mais tarde, ele mesmo fundou o mosteiro Ondrusov, e levou uma vida santa (26 de agosto e 17 de maio). 
André não foi capaz de manter silêncio sobre o asceta, apesar de ter prometido o silencio ao santo. Notícias sobre o justo começaram a se propagar em grandes proporções, e os monges começaram a se reunir em torno dele. Devido a isso, Santo Alexandre se afastou dos seus irmãos e construiu para si uma morada distante do mosteiro. Lá encontrou uma multidão de tentações. Os demônios assumiam formas bestiais, como serpentes terríveis, que o instavam a fugir. No entanto, a oração do santo queimou e dispersou os demônios com uma chama ardente. 
Em 1508, vinte e três anos depois do santo ter chegado a este lugar isolado, a Santíssima e Vivificante Trindade apareceu ao santo.

Em certa noite, quando orava em sua cabana, repentinamente uma luz intensa brilhou, e o monge viu três homens,vestidos em trajes de um branco radiante, e Estes se aproximaram dele. A Glória celeste, brilhava de forma radiante sobre Eles. Cada um deles tinha um cajado na mão.
O monge desmaiou aterrorizado, mas ao recobrar os seus sentidos, se prostrou no chão. 
Tomando-o pela mão, um dos homens lhe disse: "Tende confiança, abençoado,e não tenha medo."


Ao santo foi ordenado construir uma igreja e um mosteiro. Ele caiu de joelhos, afirmando a sua própria indignidade, mas que o Senhor o ressuscitou e lhe ordenou cumprir os mandamentos. 
Santo Alexandre perguntou para quem a igreja deveria ser dedicada. O Senhor então disse: "Amado, como você vê aqueles que falam com você em três pessoas, assim também deve construir a Igreja, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, a Trindade Una em Essência. Deixo-vos a paz e a Minha paz vos dou." 
E logo Santo Alexandre contemplou o Senhor dotado de asas abertas, indo para o céu, e logo desaparecendo.
Na história da Igreja Ortodoxa este evento é reconhecido como único. Imediatamente após esta visão, o monge começou a pensar em como construir a igreja. Certa vez, enquanto orava a Deus, ouviu uma voz vinda do alto. Olhando para os céus, viu um anjo de Deus dotado do manto e do véu dos monges, assim como na visão de São Pacômio.
O anjo, em pé no ar com as asas abertas e as mãos erguidas, proclamou: "Só Um é santo, só o Senhor Jesus Cristo, para glória de Deus Pai. Amém". Então o Anjo virou-se para Santo Alexandre dizendo: "Construa sobre este local a Igreja, em nome do Senhor que lhe apareceu em três pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo, a Trindade indivisível". Depois de fazer o Sinal da Cruz sobre o local três vezes, o anjo tornou-se invisível. 
Nesse mesmo ano, uma igreja em Honra a Vivificante Trindade Santa, toda de madeira, foi construída (em 1526 também uma igreja de pedra). Ao tempo que a construção da igreja se consolidava, os irmãos começaram a incitar Santo Alexandre a aceitar o sacerdócio. 
Por muito tempo recusou, considerando-se indigno. Então os irmãos começaram a implorar a São Serapião, Arcebispo de Novgorod (comemorado no dia16 de março), para convencê-lo a aceitar o cargo. E assim, naquele mesmo ano, Santo Alexandre viajou para Novgorod e recebeu a ordenação do próprio santo arcebispo. Logo depois, os irmãos pediram ao santo para que ele fosse o seu igumeno.
Como igumeno, o monge tornou-se ainda mais humilde do que antes. Suas roupas eram todas feitas de farrapos, e passou a dormir diretamente no chão. Ele mesmo preparava o seu alimento, uma massa sovada e pão. Certo dia, não havendo lenha o suficiente, o cozinheiro pediu para o igumeno enviar monges ocioso para cortar lenha. "Eu estou ocioso", disse o santo, e ele começou a cortar lenha. Em outra ocasião, ele carregava água, enquanto todos os 
demais estavam dormindo, e o santo ainda fazia a moagem do trigo manualmente, para obtenção da farinha para o pão. Ele fazia rondas noturnas das células, e se ele ouvia conversas vãs, batia levemente na porta e partia, mas de manhã avisava o irmão, impunha uma penitência a ele. 
Próximo do fim de sua vida, Santo Alexander decidiu construir uma igreja de pedra em honra da Proteção da Santíssima Mãe de Deus. 
Uma noite, depois de cantar um Akathiste à Santíssima Mãe de Deus, foi descansar em sua cela. Até que ouviu o seguinte : "Criança, sede sóbrio e alerta, porque a esta hora, teremos uma maravilhosa e surpreendente visita. " 
Então veio uma voz de trovão: "Eis que o Senhor e Sua Mãe estão chegando."
O monge correu para fora da cela, e uma grande luz iluminou-lo, brilhando sobre todo o mosteiro, com uma luminosidade mais brilhante que os raios do sol. 
O santo viu a Toda Pura Mãe de Deus acima das fundações da futura Igreja da Proteção, sentada onde se daria o Altar, como uma imperatriz no trono. Ela segurava o Menino Jesus nos braços, e uma multidão de anjos se movimentavam diante Dela, brilhando com um brilho indescritível. 
Ele se prostrou, incapaz de suportar a grande luz. A Mãe de Deus disse: "Levanta-te, escolhido de Meu Filho e Deus. Eu vim aqui para visitá-lo, meu querido, e olhar para a base da minha igreja. Você suplicou pelos seus discípulos e por este mosteiro. A partir de hoje haverá abundância, não só durante a sua vida, mas também após sua morte. Tudo o que o mosteiro precisar será concedido em abundância. Veja atentamente como muitos monges estão reunidos em seu rebanho. Você deve orientá-los sobre a caminho da salvação em nome da Santíssima Trindade." 


O santo levantou-se e viu uma multidão de monges. Mais uma vez a Mãe de Deus disse: "Meu querido, se alguém traz ainda um tijolo para a construção da minha igreja, em nome de Jesus Cristo, meu filho e Deus, o seu tesouro não perecerá." E Ela então tornou-se invisível. 
Antecipando a sua morte, o santo ofertava a todos o seu maravilhoso exemplo de humildade. Chamou os irmãos e disse-lhes sobre as medidas para com o seu corpo após sua morte: "Peguem o meu corpo pecador pelas pernas e o arraste para um matagal pantanoso e, depois de cobri-lo com peles, o joguem no pantano" Os irmãos responderam: "Não, pai, não nos é possível fazer isso." Então o asceta santo ordenou que seu corpo não fosse mantido no mosteiro, mas em um lugar de reclusão, a Igreja da Transfiguração do Senhor. 
Santo Alexander partiu para o Reino celestial em 30 de agosto de 1533 na idade de 85 anos.
Ele foi glorificado pelos maravilhosos milagres realizados durante sua vida e após sua morte. 



Em 1545, seu discípulo e sucessor, Igumeno Herodion, compilou sua vida. Em 1547 a celebração do lago santo foi instituída, através de um serviço foi composto por ele.
Em 17 de abril de 1641, durante a reconstrução da Igreja da Transfiguração, as relíquias de Santo Alexandre de Svir foram descobertas incorruptas e sua celebração pela Igreja universal foi estabelecida em duas datas: No dia do seu repouso, 30 de agosto, e no dia da glorificação (a descoberta de suas relíquias), 17 de abril.





Ele liderou uma grande multidão de discípulos, como a Mãe de Deus lhe havia prometido. Entre eles estão os Santos Monges Inácio, Leonidas, Cornélio, Dionísio, Atanásio, Teodoro, e Terápio, todos de Ostrov.
Além destes santos, existem os discípulos de Santo Alexandre de Svir que são comemorados em dias diferentes, como Santo Atanásio de Syandem (18 de janeiro), São Gennadius de Vasheozersk (09 de fevereiro), São Macário de Orodezh (09 de agosto), São Adriano de Ondrosov (17 de maio), São Niceforo Vasheozersk (09 de fevereiro), São Gennadius de Kostroma e Liubimograd (23 de janeiro). 
Todos estes santos (exceto São Gennadius de Kostroma) são retratados no ícone dos Padres monásticos que brilharam na terra de Karelia (ícone da igreja no Seminário de Kuopio, Finlândia). A celebração festiva do Sinaxe dos Santos, que resplandeceu em Karelia é comemorada pela Igreja Ortodoxa Finlandesa no primeiro Sábado compreendido entre 31 de outubro e 06 de novembro. 


As relíquias incorruptas do santo foram retiradas do Mosteiro de Svir pelos bolcheviques em 20 de Dezembro de 1918, após várias tentativas infrutíferas de confiscá-las. 
Houve uma infame campanha para liquidar as relíquias dos santos, que teve seu apogeu entre os fatídicos anos de 1919 a 1922. As santas relíquias de muitos santos russos foram roubadas e submetidas as "análises científicas" ou exibidas em museus anti-religiosos, para sofrer todo o tipo de escarnio. Muitas delas foram totalmente destruídas.
Esperando poder provar que as relíquias eram falsas, os soviéticos realizara, muitos testes. 
No entanto, os testes só confirmavam o caráter genuíno das relíquias. 
Finalmente, as relíquias sagradas foram transladadas para os militares da Academia Medida de Petrogrado. E lá eles permaneceram por quase oitenta anos.


A segunda descoberta das relíquias de São Alexander Svir ocorreu em Dezembro de 1997. 
As relíquias foram encontradas novamente incorruptas, do modo igual ao qual foram confiscadas, com a aparência do santo combinando com a descrição dos registos de 1641.
Uma vez que foi comprovado que eram verdadeiramente as relíquias de Santo Alexandre, o Metropolita Vladimir, de São Petersburgo, permitiu o seu translado para a igreja de Santa Sofia e suas três filhas,Fé, Amor e Esperança, para lá permanecer durante quatro meses, antes do retorno ao Mosteiro de Svir.
Quando os devotos iam venerar as relíquias de São Alexander, foi notado que delas exalava uma fragrância de mirra. 
As santas relíquias foram levadas para Mosteiro de Santo Alexander Svir em Novembro de 1998, e curas milagrosas continuam até os dias de hoje a se realizar diante delas.